27.11.18

Meu novo livro: Marina Morena




O livro da Marina já está no site Clube de Autores. O link para adquirir: Clube de Autores
Este livro relata os trinta anos de minha filha Marina e a convivência com a Esclerose Tuberosa e a Síndrome de West. Eu comecei a escrever este livro pensando nas pessoas que precisam de uma referência, quando descobrem que elas vão ter que conviver com estas síndromes. Foi assim que me senti ao descobrir o que estava acontecendo com minha filha. Eu desejo que estas pessoas não se sintam sozinhas, sem saber o que pensar e por onde começar. Eu desejo que o exemplo de vida da minha filha possa ajudar pessoas que buscam por respostas e ajuda para esta convivência de amor incondicional.


Helen De Rose.

26.11.18

Muros dos poetas. Projeto de Antonio Galvão, Belo Horizonte, Minas Gerais. Diana Balis.

Muros dos poetas. Projeto de Antonio Galvão, Belo Horizonte, Minas Gerais. Diana Balis.

Poesias do livro: Signo do Amor de Diana Balis,

no muro de Belo Horizonte, Minas Gerais. Brasil.
Bairro: Santa Teresa/aproximo ao bar do Orlando. Ref. Praça da parada do Cardoso até estação do Metrô.

15.11.18

QUADRA DE AMIZADE


O gesto por pequeno que seja
Engrandece a verdadeira amizade
É a atitude que sempre se deseja
Para confirmar a sua veracidade !

QUADRAS - O que vou vendo


Das coisas que vou vendo
Há muitas que me chateia
Por vezes não compreendo
O mundo que me rodeia

Deparo-me com situações
Duma tremenda crueldade
Ainda não encontrei razões
Para tanta desigualdade !

QUADRAS DIVERSAS

Desde sempre procurei
Viver uma vida honrada
Passou o tempo e hoje sei
Que com isso não ganhei nada !

Estava dormindo e sonhei
Que o mundo tinha mudado
Depois de acordar fiquei
Triste por ter acordado !

No bando de uma avenida
Vi dois velhinhos sentados
Lamentando a sua vida
Sentindo-se abandonados

Jorge Brites Pereira

EU, VISTO POR MIM


Exteriorizo sentimentos,
Segredos não tenho nenhuns...
Sou um livro de momentos,
Que partilho com qualquer um !

Não tenho bandeira ou estandarte,
Dos mortais sou o mais comum ;
Que sendo de toda a parte,
Não sou de lugar nenhum !

Reconheço que tenho defeitos
Não sei se há homens perfeitos
Assumo-o com frontalidade

Nada estou arrependido
De todo o meu tempo vivido
Essa é a grande realidade

Jorge Brites Pereira

15.10.18

Advogadas participantes da Revista Liberdade




Dia 18 de outubro às !8h 
Centro Cultural da Justiça Federa, Rio de Janeiro.

Advogados participantes da Revista Liberdade e Cidadania, convidam para o evento de lançamento da Edição, Ano I, 2018.
Patrícia Pacheco
Desembargadora Ivone Ferreira Caetano
Dra. Barbara Ewers
Sonia da Silva Oliveira Klausing
Ana Beatriz Martins de Almeida Nogueira 
Jansen dos Santos Oliveira
Ana Seroa
Maria Helena Catamissa
Ana Costa Martellota
Inês Inácio Aiva

27.9.18

Dia do Abraço

                                                       © foto até brilhas | Lions P.Lanhoso

"Abraço deveria ser receitado por médico!
Há um poder de cura no abraço que ainda desconhecemos.
Abraço cura ódio. Abraço cura ressentimento. Cura cansaço. Cura tristeza.
Quando abraçamos soltamos amarras.
Perdemos por instantes as coisas que nos têm feito perder a calma, a paz, a alma...
Quando abraçamos baixamos defesas e permitimos que o outro se aproxime do nosso coração. Os braços se abrem e os corações se aconchegam de uma forma única.
E nada como o abraço...
Abraço de “Eu Amo Você”.
Abraço de “Que Bom Que Você Está Aqui”.
Abraço de “Ajude-me”.
Abraço de "Até Breve".
Abraço de "Que Saudade!"
Abraços...
Quando abraçamos somos mais do que dois; somos família, somos planos, somos sonhos possíveis.
E abraço deveria, sim, ser receitado por médico pois rejuvenesce a alma.
Deixo aqui meu abraço para vc!

23.8.18

José Afonso e o Panteão Nacional.

Zeca, o meu e o vosso Zeca, o Zeca da fraternidade, das cantigas e das baladas, o Zeca humanista e futurista, o Zeca lutador. O Zeca da luta pela Liberdade e Igualdade e que nasceu num país pobre e subjugado por uma ditadura que governou os nossos destinos durante quarenta anos!...

O Zeca no Panteão Nacional sim ou, não?

Não, o nosso Zeca, o Zeca do povo não deve ir para o Panteão, não senhor.

Se o Zeca for para o Panteão terão que ir o Álvaro Cunhal, o Salgueiro Maia, Sá Carneiro, como propôs o PSD recentemente, e muitos outros que fazem parte da nossa história recente e, aí, sim. Teremos o Panteão de todos os portugueses.

Acham estranho e bizarro este meu raciocínio?

Eu também acho estranha e bizarra esta proposta vinda da SPA, e depois de assistir ao Vídeo no Site da associação em que Jorge Letria, um dos poucos civis que teve conhecimento prévio das manobras que levariam ao fim da ditadura Salazarista em 1974 e companheiro de Zeca no cante da Liberdade, Vídeo em que defende esta ideia, dando como explicação para tal proposta o facto de em 2019 se comemorar os noventa anos de nascimento de José Afonso e os 45 anos de liberdade em Portugal, ainda mais bizarra a acho. A não ser que, com esta proposta a SPA pretenda chamar a si o protagonismo há muito perdido, e o nome do Zeca seja a ponte para esse protagonismo, passageiro. Como é óbvio, depois da proposta mirabolante, a zoada em torno do assunto trouxe a SPA para as nossas bocas e a revolta contra tal ideia não se fez esperar.

Não que Zeca não tenha ganho por mérito próprio um lugar no Panteão Nacional, mas porque ele sempre foi contra o obscurantismo imposto por hobbies e certamente não se sentirá bem a residir perpetua mente num mausoléu inerte e frio.

O Zeca que cantou a “Grândola Vila Morena, o” Cantar Alentejano”, em que dizia. “ Chamava-se Catarina, Baleizão a viu morrer, ceifeiras na manhã fria flores na campa lhe vão pôr.” Ou o Zeca que cantou os “Vampiros” jamais se sentirá bem num local sem cheiro a terra e a povo.
Por essa razão e só por essa: Sou contra a ideia, o Zeca é das ruas, praças e avenidas deste país, é dos livros escolares e das nossas memórias, é do vento, dos trigais, de Coimbra e dos índios da meia praia.


Antónia Ruivo, 23/08/2018



5.8.18

Caridade

maxresdefault.jpgfome.jpgCaridade

Colhe lágrimas e anseios 
Vestimentas da esperança, 
Córregos e desertos de vida. 

Desistir de sofrimentos e arreios 
Fome, dor e vingança, 
Suave no convívio da lida. 
Breve a passagem de apelos 
Desterro e isolamento. 
Versos livres no acolhimento, 
Cometa a imprudência dos pesadelos. 
Ame o encarniçado e o proteja de flagelos.

Rio de Janeiro, 5 de agosto de 2018, Diana Balis

16.7.18

“Grave & Agudo. Poesias de Amor”. Na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

DSC_3811_1.JPG“Grave & Agudo. Poesias de Amor”. Na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

 Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
Poesia provocativa de Gisele Lemos mostra os dois lados do sentimento

A crença no amor, que cria atitudes em prol da vida humana e da natureza, e a solidão provocativa do amor. É por esse caminho que a poeta Gisele Lemos, depseudônimo Diana Balis, deseja que o leitor atravesse em seu novo livro: “Grave & Agudo. Poesias de Amor”. O lançamento será no dia 11 de agosto, na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Segundo Gisele, (na foto de Vanessa Angelo), a intenção é criar diversos tipos de sensações, inclusive de desconforto. Para ela, o “amor é como dar linha na pipa, você solta e o deixa livre, à espreita da liberdade, do voo e do reencontro”. A escritora diz que a obra também serve como um grito de luta para quem precisa reagir a sentimentos não correspondidos.

- Vivi o amor platônico através da solidão de um quarto fechado. Foi quando me vi diante da crise de sentimentos, a ambiguidade e sobrevivi por amor à vida. Aprendi que o amor abre portas, mas bloqueia a pessoa quando se cala. Por isso, precisamos aprender a reagir ao desamor - desabafa.  

O livro recebe influências de autores consagrados como Gabriel García Márquez, Clarice Lispector e Carlos Drummond de Andrade. Para Gisele, esses escritores são grandes mestres em apresentar “retalhos” de sentimentos em suas obras, seja por meio de poemas ou da história de seus personagens. “O Amor nunca perde a vez. É um jogo que nem sempre se ganha, mas está sempre na moda”. 

Sobre a autora
Gisele Lemos é psicóloga, poeta, diretora do Conto & Cena e Editora da Poesia Revista. É ainda membro da Associação Profissional de Poetas no Estado do Rio de Janeiro (APPERJ), das Academias Literária Internacional (ALPAS 21),  de Letras e Artes Buziana  (ALAB), de Letras e Artes de Fortaleza e da Academia Virtual dos Poetas de Língua Portuguesa.

Participa de 15 Coletâneas nacionais e internacionais como escritora.  Publicou os livros “O signo do amor”, “Cometa” (Livro CD gravado em áudio), “Verdes e Perfeitos amores” e “Se par ação de Mer cú rio”.

Ficha técnica
“Grave & Agudo. Poesias de Amor”
Perse Editora.
Categoria: Poesia Contemporânea Brasileira.
Páginas: 74
Participações :
Diana Balis Autora
Rui de Carvalho Diagramação
Maximiliano Sanz Balsells 
Colaborador 
Prefácio: Alexandra Vieira de Almeida
Jornalista Tiberius Drumond Assessor de Imprensa t@drumond.info

22.6.18

Convite de Lançamento


Dia 10/08/2018 , sexta-feira. O Livro dos Sentimentos. 

Eu estarei com colegas Poetas na Bienal do Livro em São Paulo 

para o lançamento desta Antologia. 

Estão todos convidados. 

Quem for receberá um presente meu. 

Abraço afetuoso.

Até mais..

Helen De Rose.

8.6.18

I Encontro Nacional de Papais Noéis começa hoje! Rio de Janeiro.

I Encontro Nacional de Papais Noéis começa hoje! Rio de Janeiro.

thumbnail__2_.jpg Confiram a progamação no site.
Amanhã Dia 9 de junho, 11:30h
feliz_natal.png
Psicóloga, Gisele Sant Ana Lemos, participará da mesa
MESA: COMO LIDAR COM OS DESEJOS, DECEPÇÕES E AFETOS DO PÚBLICO INFANTIL
1o Encontro Nacional de Papais Noéis, tema que agrada todas as famílias e crianças em idade pré-escolar. 

6.3.18

Adquira meus livros com segurança


Adquira meus livros com segurança neste link: Clube de Autores

Cuidado com sites que não mostram a capa e a descrição completa do livro.

Cuidado com preços menores, isto é um atrativo perigoso.

Helen De Rose.

14.2.18

Paraíso do Tuiuti 2018 | Clipe oficial

Carnival of Rio de Janeiro 2018

Culture and Art, the people of Rio de Janeiro, in 2018, showed the world that samba in the foot, also makes democracy, the people, really want to perform, outside the carnival, a lot of justice and beyond Art, we are pao and circus, wear fantasy of politics,

Temer go ! Outside Crivella! (who traveled in our carioca carnival)! Outside Crivella! (who traveled in our carioca carnival)

Congratulations, samba schools in Rio de Janeiro!
https://youtu.be/tVW1r74uLTY


It won the Brazilian people in creativity, with less funds, razed the plots, and political issues.

Congratulations TUIUTI, Salgueiro, who surprised and pleased the Brazilian people.

Follow the TUIUTI samba!

Hummingbird of Nilópolis, Congratulations! 1st Place.



I believe in art as manisfestation and politics, let us invade Brasilia with poetry!

Salgueiro 2018 Letra e Samba

ALTO MAR (Luiz Felipe Rezende)

13.2.18

Tempo de Amar III

fotos_historicas_beijos_guerra_006_758x591.jpg
Tempo de Amar III

Tempo de Amar III  
Uivos sedentos
Ensejos de amor
Ruídos sonoros
Norte sedutor
Escapar ou levitar
Tempo de amar.
Diana Balis 
Rio de Janeiro, 11 de fevereiro de 2018.



5.2.18

Coxim, Mato Grosso do Sul, Pantanal Conheça!

Coxim, Mato Grosso do Sul, Pantanal Conheça!       

Hosteling.jpgCoxim é Cidade da Região centro-oeste, situado ao norte do Estado de Mato Grosso do Sul, dominada antigamente  por  índios das etnias Caiapó e Bororó, e também é reconhecido por suas denominações populares de "Capital Nacional do Peixe", "Terra do Pé-de-cedro" e "Portal do Pantanal". Conheça o Brasil. Visite Coxim.
Coxim_5__1_.jpg








Coxim_1.jpg2.jpg

4.2.18

Contrato de amor.

Diferen_aDeIdade1.jpg
Contrato de amor.

Amor virou contrato. 

Passagem entre os povos. 

Veja meu passaporte, 

Repleto de viagens de amor virtual. 

Bagatela sem paixão, de escolhas aleatórias. 

Colhendo frutos sem sementes 

Comendo sem vontade real. 

Amor virou troca, e cada vez de menor valia. 

Nem as puras fazem como antes... 

"Nem sou freira nem puta!"  Nem sou juíza nem ladra! 

Sou Mulher. Simplesmente isso! 

Homens andam tão meninos e distantes de Mulheres reais! 

Peguem as novinhas, elas são inexperientes... 

Tem sabor de fio dental. 

Compram todas as suas idiotas ideias. 

Mas vão trair você, na melhor oportunidade. Afinal, burrice tem limite! 

Uma de vinte, não vale a de 45. 

Mas mães, mulheres, é que ganham menos e continuam a educar seus filhos homens sozinhas. 

Deixando os pais irem sem compromisso, fazendo filhos e mais filhos em cada esquina. 

Você, sem ninguém, sem marido, continua na luta pela feminilidade, ganhando menos.

Eduque seu filho homem de forma que este respeite a Mulher que você é! 

Mulher, seja mais firme e eduque para o futuro. 
Diana Balis, Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 2018.

13.1.18

Sonho, Praias Cariocas, Praia Vermelha.

Praia_Vermelha_Rio_de_Janeiro.jpg
Sonho, Praias Cariocas, Praia Vermelha.

Vento forte, apalpo as areias da praia vermelha.

Movem-se todos os personagens do passado na roda da vida.

Morros de bondinhos, sob as cabeças desavisadas e retorcidas.

Refaço o percurso do Caminho do bem-te-vi
olhando o mar.

Respiro e ouço as ondas, vida à passar. 

Descalça na pedra, alimento o prazer de amar.

Um dia qualquer, essa pintura capturada na foto, revolta o sonho.

Diana Balis, 13 de Janeiro de 2018.

11.1.18

Verdade

Verdade

Verdade
12Jan2018 02:15:56
Publicado por: Diana Balis
5103fcd153e5c0bce790e0b6bcd0b285.jpgVerdade:

Ter pais casados por 60 anos.

Considerar que se viveu 400 anos.

Ter felicidade, ainda que existam os políticos corruptos e seus seguidores... 

Ter esperança, ainda que tarde, agora já são no Brasil, meia noite e passaram mais de 24 horas. 

Amar, e ter vontades nas madrugadas, como cantar e dançar em sua própria casa. 

Importam esses outros descontentes e desavisados, que de tanto tenho para amar e oferecer, a alegria e a retribuição à vida! 


Que vida!  Gente!

O enlouquecimento de tantos, tem-me feito bem e causa danos. 

Um tão querer, que nem de mim oculto! 

Um bem viver, sem sentido algum... 

Minutos importam, e a existência perene...Também!

Vê, tem vida aqui e ali! que segue;

Mesmo que nem me alcance tanta saúde ou felicidade.

Há Arte em criar as oportunidades de dizer que o amor existe. 

Onde! Como! 


Todos estão completamente atados, entre as amarras que nem reconheço como minhas. 

Vida perene, e a  calma de todo dia, me abala e diz: 

Calar, faz parte de algo menor, quer dizer: tudo o que penso, persegue,

Pensar é tudo o que posso dizer nesse tempo, onde: 

Homens e Mulheres, vivem num deserto desconhecido, como o desenho de impressões incompletas.

Nada se encaixa como num quebra-cabeças.


Tudo apenas  persiste, e a vida segue, e daí! 

Somos seres da eterna insegurança e esperança que persiste, atados ao passado, relegados ao futuro sem presente.

Diana Balis, Rio de Janeiro, 12 de janeiro de 2018.

Verdade

Verdade

Verdade
12Jan2018 02:15:56
Publicado por: Diana Balis
5103fcd153e5c0bce790e0b6bcd0b285.jpgVerdade:

Ter pais casados por 60 anos.

Considerar que se viveu 400 anos.

Ter felicidade, ainda que existam os políticos corruptos e seus seguidores... 

Ter esperança, ainda que tarde, agora já são no Brasil, meia noite e passaram mais de 24 horas. 

Amar, e ter vontades nas madrugadas, como cantar e dançar em sua própria casa. 

Importam esses outros descontentes e desavisados, que de tanto tenho para amar e oferecer, a alegria e a retribuição à vida! 


Que vida!  Gente!

O enlouquecimento de tantos, tem-me feito bem e causa danos. 

Um tão querer, que nem de mim oculto! 

Um bem viver, sem sentido algum... 

Minutos importam, e a existência perene...Também!

Vê, tem vida aqui e ali! que segue;

Mesmo que nem me alcance tanta saúde ou felicidade.

Há Arte em criar as oportunidades de dizer que o amor existe. 

Onde! Como! 


Todos estão completamente atados, entre as amarras que nem reconheço como minhas. 

Vida perene, e a  calma de todo dia, me abala e diz: 

Calar, faz parte de algo menor, quer dizer: tudo o que penso, persegue,

Pensar é tudo o que posso dizer nesse tempo, onde: 

Homens e Mulheres, vivem num deserto desconhecido, como o desenho de impressões incompletas.

Nada se encaixa como num quebra-cabeças.


Tudo apenas  persiste, e a vida segue, e daí! 

Somos seres da eterna insegurança e esperança que persiste, atados ao passado, relegados ao futuro sem presente.

Diana Balis, Rio de Janeiro, 12 de janeiro de 2018.

9.1.18

Nada veo, nada hablo yo escucho

treapor.jpgNada vejo, nada falo eu escuto Nada veo, nada hablo yo escucho



Veo personas divididas en un país de hambre. Brasilize *!



Las voces gritan por los rincones la libertad de vivir con calidad, donde!



TVs con programas de religiones, como si la fe de un pueblo, fuera a apagar los estragos y daños vividos y realizados por políticos y corruptos, hace años.



Son muchos, son tantos, que tenemos un silencio imbuido en la verdad ni dicha, reprimida, guardada.



¡Ojo a los lados, ayer, nada podían decir, y hoy!



¡Podremos hablar, será! ¡Usted va a votar, en quién confiará!



Medidas de emergencia necesarias para una salida de emergencia, en un país en crisis,



Por la crisis creada por personas codiciosas y maléficas al pueblo.



¡El pueblo callado!



Vivimos para despertar temprano e ir al trabajo, cuando no llueve y nuestros pies están cubiertos con los lodos de los demás,



No es el pueblo sin educación, es la elite que desea el pueblo sin educación,



No es un pueblo miserable, es la elite que gobierna a Brasil que desea el pueblo sin casa, sin asunto, sin comida, sin tierra, sin nada.



En el caso de que se produzca un accidente de tránsito en la ciudad de Buenos Aires, en el caso de que se produzca un accidente en el país. estos son contra el pueblo.



¡Solución para la crisis, tiene!



cambios:



Elegir quién nunca fue político en la vida antes.



Hacer de las plazas y lugares abiertos, salas de lectura y discusión al aire libre.



Traer a los lugares públicos, además de arte en los barrios, lecturas, debates y actividades de integración, filosofía y formación de pensadores, y rescate de autoestima, asociación de ideas. Creación con construcción. Acción. Construir un país por los bordes.



¡Sabes cómo es!



Attitute!



Diana Balis, Río de Janeiro, 9 de enero de 2018.

7.1.18

Telhado de Vidro

Telhado de Vidro

clarice_sabedoria_8.jpgTraçados e mouses nas mãos que manuseiam os vigores da vida, o alimento.

Mulheres descabelam-se por tantas tarefas, mas querem fazer sexo.

Homens honestos e felizes, por tanta fartura de vida, comida e sexo.

Verdades e mentiras, todos desaprenderam a amar.

Ambos querem ser felizes, sucedidos, equilibrados, e fazerem amor.

Necessitamos voltar ao tempo de reflexão.  

A sociedade avançou nos relacionamentos, nas expectativas, no feminismo, será!

Caminhar olhando as novas possibilidades de vida.

Sair em busca de seu verdadeiro sentimento, e não de falsas sensações obsoletas. 

Conceitos mudam, preconceito desconsidera, porém existem. Mas para ser diferente, temos que ter ações

Congruentes com a vida. Todos precisam de teto, alimento e amor.

O corpo é a nossa casa, nossa estrutura formada, pensamentos, ações, emoções e atitudes para com o outro. 

Estamos criando seres sem sentimentos, sem estímulos, sem atitudes. Apáticos!

Procurar o verdadeiro significado e a sensação de sua vida, já! Para ontem!

Não somos repetidores, e máquinas obedientes.

Vivendo, aprendendo, errando, tentando, mas refletir sobre o que se deseja, e não o que desejam que façamos,

Não é não!

Dizer não, é fundamental. Quase ser sobrevivente, um sem lugar, sem alimento, sem alma, um ser invisível...

Você que teve educação, dinheiro e amor, está na hora de tomar uma atitude e reagir,

Faça a revolução de sua vida e existência, reconsidere que erramos em tudo e recomece. Desistir jamais!

Viver é ótimo!

Precisamos otimizar o tempo perdido e irmos a luta! Nunca ouvi frase tão antiga e ideal nos tempos de hoje.

Pare de olhar o telhado de vidro e vamos a construção do real valor que importa a vida.

Mãos a obra. Você se merece!

Diana Balis, Rio de Janeiro, 7 de janeiro de 2018.

5.11.17

Convite a participação da Poesia Revista 2018

Convite a participação da Poesia Revista 2018

Convite a participação da Poesia Revista 2018 | 05Nov2017 13:34:03

Publicado por: Diana Balis

17523290_1420224031331932_8101588459324532252_n.jpgPoesia: Amores – Amor
Márcia Regina Schweizer.

Caminhar,
O teu olhar, andar,
Sonhar, saborear o teu paladar, ar.
Caminhar no teu andar,
Parar para contemplar
Brincar e desejar
Compartilhar contigo alegrias.
Já me esqueci de mim,
De você, de nós dois.
Nas lembranças, apareces sempre em meus sonhos,
Já não sei se vamos caminhar juntos.
Que seja na mesma direção, um ao lado do outro,
Estaremos sempre unidos.
Afinal, nada separa desejos e amores eternos.

Convido os poetas para inscrição na publicação anual Poesia Revista 2018.

Link