4.8.13

A poesia ascende

A poesia ascende Ascende e flutua
Um cigarro evapora
Um corpo degustado nas vontades de rir.
O vento degenera os alicerces de amor
O copo surge no vazio.
A fome dos meninos pelados no frio.
Um rio, um lar, um poema.
Sente,
A mente que reinvente o quente.
Semidesnuda a crua vinculada.
No solido e pastoso curso...
Ouço um urro
E o tombo que empoçou
A louça secou.
Os filhos cresceram.


Rio de Janeiro, 4 de agosto de 2013. Diana Balis


Hoje, completamente nua, e maravilhada com o espetáculo "Simplesmente eu, Clarice Lispector". Interpretação por Beth Goulart, transformando o espetáculo a arte imperdível, quente e emocionante.
Com ondulações, as emoções transbordantes. 
Um gosto suave. 
Maravilhosa atriz, em quente figurino, excelente iluminação. O cenário simples, compõe criando vários ambientes e valorizando os gestos impecáveis da atriz.
Como um diluvio de sensações, como um pincel, cria texturas no ar de emoção, uma pesquisa séria.
Um Sarau Vivo e imperdivell! 
Parabéns Beth Goulart, por sua excelente interpretação.

(Na Foto: Diana Balis, Beth Goulart e Iolanda Brazão, fomos juntas, tietar a Beth)

Comente

1 comentário:

  1. Apreciei a modernidade do poema!
    E o próprio poema!
    Saudações poéticas!

    ResponderEliminar